09 outubro 2017

Bienal Internacional de Curitiba - Polo SC



convido a todos para a Bienal Internacional de Curitiba - Polo SC!
dois de meus trabalhos foram selecionados pelas curadoras Juliana Crispe, Francine Goudel e Sandra Makowieky para compor a mostra. as pinturas "homem com profunda sede de si" e "homem em sua solidão superpovoada" formam um díptico.
confira outros artistas participantes e mais detalhes no evento! 🍷🎨🗝

coração olhando o estrago


óleo sobre tela

08 outubro 2017

Lançamento do livro Notas Visuais em São Paulo


Confirmado lançamento em SP!!! 🖋📚🗝

No dia 21 de outubro estaremos lançando o livro Notas Visuais em São Paulo no espaço Aldeia 445. Convidamos a todos que estiverem por lá para dar aquela passada e conferir! 

O livro Notas Visuais é uma reunião de trabalhos, entre textos, desenhos e pinturas, cujo o objetivo é uma interação entre as subjetividades afim de valorizar as experiências e sutilezas de cada sujeito. O livro foi desenvolvido através de um financiamento coletivo que contou com o incentivo de pessoas de todo o Brasil. 

O livro será comercializado no valor de R$70. Estaremos lá autografando e desenhando! 

Agradecemos ao Aldeia 445 por nos receber ♥ 
Em breve estaremos em outras capitais!


Saiba mais aqui.

26 setembro 2017

pobre homem levando seu coração de trouxa

eu ponho um espelho em frente ao outro,
para mostrar ao espelho sua face,
algo como uma vingança,
já que ele me faz encarar-me quando quase nunca quero,
ponho um espelho em frente ao outro,
para que a luz reflita a verdade da luz,
para replicar a eterna ocasião  de fazê-lo,
porque no fim do túnel do espelho existe um outro eu,
que talvez esteja invertido, ou talvez, corrigido por outra reflexão,
ponho um espelho em frente ou outro,
porque é um jeito de abrir um buraco debochado no espaço,
um túnel que vem e que vai, de tudo que é,
o simples fato de por um espelho em frente ao outro.
ponho um espelho em frente ao outro,
para constatar que estou mais uma vez no meio do infinito,
e que para ambos os lados eu não posso vê-lo,
por estar sempre em meu próprio caminho.