05 outubro 2019

pior que não ter asas é ter apenas uma


Quando, em 2017, eu decidi que tentaria lançar um livro, não podia imaginar quantas coisas essa decisão desencadearia. No fluxo da causalidade, é incrível como a gente nunca sabe onde vai parar. Existe naquele livro um pequeno texto intitulado “Pior que não ter asas é ter apenas uma”. Esse texto é um daqueles fluxos de pensamentos que me escorreu em palavras quase como se eu não pudesse evitá-lo. Um daqueles que, ao fim, só dizemos amém. Vai! Esse texto, aliás, esse título, tocou um coração em algum lugar. Sim, porque textos como esse são telegramas lançados ao vento “para todos e para ninguém”. Às vezes ocorre, porém, que eles mexem com algumas pessoas. Recebi uma deliciosa, inusitada e desafiadora encomenda, que em si mesma já possuía carga autoral. Um querido, grande entusiasta, não só da minha obra, mas de tantas outras, me encomendou uma pintura: “Essa frase significa muito para mim, gostaria que você criasse a imagem, é possível?” – ele disse. “É possível!” – respondi. E passei a trabalhar. Por algum motivo, nunca havia me ocorrido pensar numa imagem para aquela frase. Esta pintura acabou se tornando uma das minhas favoritas, e por isso, o tema do pôster comemorativo do projeto. Obrigado, Humberto, por me desafiar e ajudar a encontrar esta pintura. Espero que ela crie relações por muito mais tempo que eu. E que esta história acompanhe a pintura.

homem olhando com carinho para sua própria insignificância


retrato da angústia



primeiro voo de um pássaro machucado